terça-feira, 4 de julho de 2017


Túnel do tempo


Quando eu era pequeno, a televisão era um tipo de deus. Acreditava tanto nela, que meus amigos imaginários tinham tudo a ver com o que brotava na telinha e caia dentro da sala. Mas não me lembro de ser uma crença assassina ou maléfica. Tudo era puro. O bandido e o mocinho dos tiros de brincadeira não morriam nunca. No máximo causavam um debate entre os amigos pra saber quem tinha sido atingido primeiro.

A magia dos filmes era tão grande e mexia tanto comigo quanto a do futebol. Só era duro assistir aos jogos entre equipes de camisa escura e calção parecido. A TV em preto e branco tornava os dois times praticamente iguais. Sem contar que a imagem oscilava e o som chiava. Sim, papai colocava Bombril muitas vezes na ponta da antena pra ver se melhorava...

Hoje a televisão ainda me fascina. Especialmente por conta do grande número de possibilidades que ela oferece e seu casamento com as demais mídias. Nem é mais só TV mesmo. A tela, do tamanho da palma da mão ou da parede de uma sala, virou um mundo de tudo um pouco.

Pena que ao mesmo tempo em que ainda consegue mexer com o mais íntimo da imaginação, tenha se tornado capaz de produzir tanta bobagem. Óbvio que aquela televisão dos meus heróis ali de cima também produzia conteúdo descartável. Sempre foi assim. Só que hoje ela lembra uma  casa de acumuladores desenfreados. Cada cômodo parece estar mais atulhado de lixo. E nem todo ele é reciclável.

Mesmo assim o prazer de segurar o controle remoto e zapear é grande. Melhor do que levantar e ter que trocar o canal, como no passado. Se bem que naquela época, eu  tinha menos vontade de mudar a programação.

Nenhum comentário:

Postar um comentário